DEIXA FALAR: O QUE É QUE HÁ? ACADEMIA DO SAMBA, HOJE, SOU ESTÁCIO DE SÁ

“Vai levantar poeira

Oi deixa o couro comer

O Estácio virou tema

Seu passado é um poema

Agora é que eu quero ver”

(Elinto Pires e Sidney da Conceição; Deixa Falar)

A Primeira Academia do Samba estende seu manto vermelho e branco nas páginas da história do carnaval. O que é que há? Vem de lá, da Praça XI, do Morro de São Carlos… o berço do Samba, G.R.E.S. Estácio de Sá. Essa história começa de forma malandreada, pois foi de passo a passo, de boca a boca, na ginga e no faz que vai mas não vai que o samba ganhou variações e conquistou o povo logo no início do século XX. Mas, para ganhar as ruas foi preciso enfrentar a polícia e a resistência da sociedade. Foi então, que um grupo de sambistas resolveu montar um bloco diferente. Talvez eles não soubessem, mas no dia 12 de agosto de 1928 estavam escrevendo seu nome na história, criando uma maneira inovadora de brincar o carnaval, surgia então, a Deixa Falar, a primeira escola de samba do Brasil.

Era preciso que o povo tivesse voz para expressar seus sentimentos, emoções; que tivesse uma chance de falar o que pensava. Daí veio o nome do bloco: Deixa Falar, que no mesmo dia foi consagrado como “escola de samba”, devido a uma sugestão de Ismael Silva. O sambista fez uma analogia à Escola Normal do Rio de Janeiro. O argumento de Ismael foi bem simples e logo aceito pelo grupo: afinal, se os mestres da educação se reúnem numa escola para ensinar o que sabem, os sambistas também são mestres e professores quando se reúnem para discutir sobre samba.

“A primeira Escola de Samba

Surgiu no Estácio de Sá

Eu digo isso e afirmo

E posso provar…

Porque existiam naquele tempo

Os professores do lugar.

          Mano, Nilton, Mano Rubem e Edgar

E ainda outro que eu não quero falar”

(Joel de Almeida e Pereira Matos; “Primeira Escola”)

Ao contrário dos demais blocos e ranchos que tinham marchas e bandas, este desfilaria ao som do samba, cantado por pastoras e um solista. Para diferenciar as novas composições das marchinhas, das músicas europeias e do ritmo de maxixe do primeiro samba gravado no país, foram proibidos os instrumentos de sopro. Apenas o apito era permitido, pois servia para comandar os sambistas batuqueiros. Mas, foram incluídos novos instrumentos aos conjuntos de samba, como o agogô, o chocalho, a cuíca e o surdo, este último, instrumento criado pelo próprio Bide. E as inovações não pararam por aí, a ala de baianas, o casal de mestre-sala e porta-bandeira inspirado no baliza e na porta-estandarte dos ranchos e tantas outras.

A Deixa Falar durou apenas três carnavais (de 1929 a 1931). A primeira “escola de samba” não chegou a participar do Primeiro Concurso das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, em 7 de fevereiro de 1932. Mas, ainda que tivesse uma vida curta, serviu de incentivo para o surgimento de outras tantas “escolas de samba”. No mesmo bairro foram criadas: “Cada Ano Sae Melhor”, “Vê se pode” (Recreio de São Carlos) e “Paraíso das Morenas”. Em 1955, essas escolas se uniram para formar a Unidos de São Carlos, que apesar de nunca ter conquistado um título teve sambas históricos lembrados até hoje, como “A festa do Círio de Nazaré”, em 1975, e “Arte Negra na Legendária Bahia”, de 1976, que revelou o talento do compositor e intérprete Dominguinhos do Estácio.

Em 1983, mais uma mudança: a Unidos de São Carlos vira Estácio de Sá para abrir fronteiras para outras comunidades que participavam da escola. O azul e branco da bandeira dá lugar ao vermelho e branco que fazem referência à herança da Deixa Falar, e consagram o “pavilhão do amor” com um leão que ruge forte e supera novos desafios a cada ano.

“Corre nas veias

Esse sangue vermelho que me faz explodir

Seu branco é o encanto

Eu visto esse manto, e vou por aí

A Estácio é isso aí”

(Jair Guedes, Toninho Gentil, Soneca, Jorge Magalhães, Marcelo Luiz; Pavilhão do amor)

A mudança foi próspera e nas novas páginas de sua história, a Estácio de Sá conquista público e crítica com enredos irreverentes como “Quem é Você?”, “Chora chorões”, “O Tititi do sapoti”, “O Boi dá bode” e em menos de dez anos, superou as chamadas “grandes escolas” e conquistou o seu primeiro título no Grupo Especial com “Pauliceia Desvairada”, que comemorava os 70 anos da Semana de Arte Moderna. A escola continuou apresentando carnavais inesquecíveis como “Dança da Lua” e “Uma vez Flamengo”, e permaneceu no Grupo Especial até 1997, quando retornou ao Grupo de Acesso A por nove anos e chegou a ir até para o Grupo de Acesso B, em 2005. Mas, com uma retomada surpreendente, venceu dois anos seguidos e voltou à elite do carnaval em 2007 e 2016.

Seja no Grupo de Acesso ou no Grupo Especial, a Estácio de Sá firma-se como uma das escolas de samba mais populares e mais queridas do carnaval. Seus desfiles sacodem as arquibancadas da Sapucaí e fazem vibrar os corações dos foliões apaixonados pelo ritmo da sua bateria Medalha de Ouro, de seus inesquecíveis casais de Mestre-sala e porta-bandeira, das suas Comissões de Frente premiadas, de seus ilustres Compositores e Intérpretes, de seus criativos Carnavalescos, da sua Harmonia que trabalha incessantemente, de sua Velha Guarda que carrega no sangue e na alma a herança dos primeiros sambistas brasileiros, e claro, dos milhares de foliões apaixonados que hoje, que em Vermelho e Branco unem em um só desfile, protegido pelo manto e pelas armas de São Jorge, a Primeira Escola de Samba do Brasil e a Primeira Academia do Samba para exaltar no Desfile da Acadêmicos do Engenho da Rainha a Estácio de Sá. E viva o carnaval!

Autores: Rodrigo Marques, Guilherme Diniz, Lukas Schultheiss e Rogério Rodrigues

Carnavalescos: Rodrigo Marques e Guilherme Diniz

Referências Bibliográficas:

ARAÚJO, Hiram. Carnaval: seis milênios de história. Rio de Janeiro: Griphus, 2003. CABRAL, Sérgio. As escolas de samba: o que, quem, como, quando e por que. Rio de Janeiro: Fontana, 1974.

FERREIRA, Felipe. O livro de ouro do carnaval brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

Departamento Cultural do G.R.E.S. Estácio de Sá (http://gresestaciodesa.com.br/aestacio/nossa-historia)