GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA IMPÉRIO RICARDENSE

CARNAVAL 2019

Enredo: AMA – O BRADO DAS AMAZONAS

O desenvolvimento do desfile ficará por conta de uma comissão formada por Arilton Smith, Fábio Giampietro, Gabriel Mello, Alice Smith e Elaine Boldrini.

“Uma metade do mundo é mulher, a outra metade são filhos delas.”

JUSTIFICATIVA

Posto que nosso nome – histórico e geográfico – provém das características de nossa terra, parece fato natural que nós sejamos “elas”: Uma nação mulher. Uma pátria fêmea.

Esta abençoada terra – onde o que se planta, dá! – pela própria função de acolher, germinar e proteger, não poderia ter outra qualidade que não fosse feminina. E foi bem aqui, em tempos imemoriais, que as mulheres guerreiras dos troncos tupis empunharam armas de ferro, fogo, fé e amor, para transformar o mundo anacrônico e pragmático do tal sexo forte num fantasioso universo de paixões e bravura.

“Amazonas”, era como os invasores europeus chamavam estas mulheres.

O termo, cujas origens são motivo de debate pelas inúmeras possibilidades, vem sendo utilizado por séculos para designar as mulheres que contrariam a lógica do mundo masculino, desde as mitológicas infantes da Ilíada homérica e bravias índias do Novo Mundo, até as atletas de montaria dos tempos modernos.

E cá estamos, nestes tempos que chamamos de modernos, discutindo o papel feminino na construção de nossa sociedade, como participantes ou expectadores da luta cruel de nossas meninas contra o assédio, a misoginia, a desigualdade salarial e o machismo que cobre, pune e mata, todos os dias, a cada minuto, tantas de nossas irmãs, primas, tias, mães, avós, companheiras, conhecidas e desconhecidas.

Cumprindo com a sua função social e entendendo-se como parte da herança matriarcal deixada por grandes sambistas – compositoras, cantoras, baianas, passistas, porta-bandeiras, figurinistas, enredistas, carnavalescas, coreógrafas, destaques, chefes de ala, diretoras e presidentes – o Grêmio Recreativo Escola de Samba Império Ricardense transforma em brado a reverência às mulheres extraordinárias que mudaram a história do nosso país.

Este carnaval é dedicado a todas as Marias, Joanas, Iracemas, Anastacias, Dandaras, Franciscas, Aparecidas, Bárbaras, Joaquinas, Chiquinhas, Penhas, Quitérias, Mercedes, Ciatas, Zuleicas, Carolinas, Tarsilas, Anitas, Pagus, Olgas, Jovelinas, Ivones, Leilas, Marielles e Reginas, da vida, da lida, do samba, da casa, da rua e da nossa família.

Este carnaval é dedicado a Grande Dona Ivone Lara. Dama e Diva do Império, Serrano, Ricardense e do Carnaval. Inspirado nos versos livres e empoderados de Conceição Evaristo. Amparado no colo de Jandira, nossa matriarca.

SINOPSE

Para decifrar o grito, mergulhemos de novo no ventre de todos. De todos os pais e de todos os filhos. Dediquemos atenção ao laço afetivo mais verdadeiro e caminhemos pelo cordão que nos une ao colo da história.

Sim! Agora estamos atados aos atos delas. Podemos sentir de novo o corpo ferido em flecha, pelo arpão que rasgou o céu, cruzou o mar e adentrou a terra, misturando em urucum e carmim o lado de lá com o lado de cá. E em festa, iremos quebrar aquelas correntes, libertando a alma das amas, escravas, sementes, amarradas ao tronco de um jovem país – que é filho: de santas, mundanas e caminhos, abertos em morros e matas, quilombos e ninhos, onde damas e amores fizeram seu lar.

Dançaremos ao som das sete oitavas, admirando contralto e soprano, no limite entre o tambor e o piano, enquanto sonhamos com revoluções. Pintaremos no chão do salão a mudança e o direito, bordaremos no peito o retrato perfeito, para rasgar a mordaça que cala os porões. Aclamaremos uma rainha, uma artista, uma general.

E ela vai nos guiar feito estrela em noite de festa, pelo alto do morro na trilha em queda, deixando seu rastro a caminho do mar. Vai luzir e virar amuleto, na forma feroz de uma bala de prata, abrindo outra vez a ferida que mata, lembrando que nós não podemos parar.

E ela?

Ela não é mais daqui.

Ela é uma ideia.

Ela é a conquista.

O sabor da vitória.

O luto que vira luta para a gente transformar em história.

História que vira enredo. Enredo que vira samba.

Samba que chama a garra de quem veste fantasia para desfilar.

AMA! AME! AMOR! AMAZONA!

Um fardo! Um brado! Um Carnaval!

* A palavra AMA, quer dizer MÃE e compõe o termo AMAZONA em referência as antigas sociedades matriarcais.