Confira os 9 sambas-enredos concorrentes inscritos na Tradição para o carnaval 2019:

SAMBA 01

Compositores: Paulinho Direito e Carlos Moreira

Intérprete: Paulinho Direito

Hoje tudo tem magia
É festa, é Carnaval
Da África à Bahia de nosso ancestral
Vem dos tempos remotos de Angola
Gêge, Nagô, Quilombola
A vovó de Aruanda com sua figa de guiné
Mãe baiana tu és a nossa luz
Nos caminhos da vida
Ilumina e nos conduz
OH! Mainha
Te ofereço um buque de flores
E a todas as mulheres do samba
e as yabás multicores
Tia Ciata o teu colo embalou gerações
a fé, a arte, a cultura
A sua resistência te consagrou,
E no mundo do samba gira, gira
Vestindo a fantasia
E vai cantando na Avenida a poesia
Eu sou o que sou, Tradição.
Com emoção! Que felicidade!
Mãe querida, do meu coração.

SAMBA 02

Compositores: Igor Leal, Bruno Serrinho, Gusto Listo, Rodrigo Medeiros, Jailton Russo, Pestana, Fábio Braga, Fernando Professor, Flavinho Bento, Rodrigo Ponte, Tinga e Mario Lúcio

Intérprete: Tinga

Menina iluminada de Orum
Traz nas bençãos de Oxalá
Baianidade axé…a luz do ser
Mulher
Fez do Rio o seu Gatois
Venceu as senzalas e grilhões
Ergueu as Bandeiras das Nações
E no xirê dos rituais
Surge a Mãe dos Carnavais
Meu batuque vem de Angola…Axé
Minha casa é Quilombola…Arruda e Guiné
Se a patrulha perturbar… “Deixa falar”
Ninguém segura quem carrega patuá
No encanto da saia rendada
Mãos de cura e tempero
Patrimônio popular
Pano da costa, turbante e tabuleiro
Balangandãs pra “mainha” se enfeitar
É Tradição avenida virar terreiro pra festa das Yabás
Roda oyá que o mundo gira…
Roda oyá vem clarear…
Vai meu condor, num canto d’fé
Nos guiar!
Mãe baiana êêê… Vem girar…
Mãe baiana êêê…Saravá…

SAMBA 03

Compositores: Sil Marujo, Wandré Moreno, João Tracajá e Alexandre Bananada

Intérprete: Anderson Paz

Gira baiana, faz a sua evolução;
Vamos aplaudir o seu gingado;
As mães do samba, isto sim é Tradição
Deixa o nosso corpo arrepiado
(BIS)
Ciata…raiz ancestral
Da diversidade negra
Chega com seu canto de amor
Um acalanto sofrido, no peito uma dor
Mergulhamos na história
Dessa mulher sensacional
Um resgate da memória
De quem fez o Carnaval
De Santo Amaro – Salvador
Todos os santos abençoou
Ela partiu…e fez morada na capital do meu Brasil
No tabuleiro da baiana “Quê que tem?”
Manjar, cocada essa preta é demais
Quitutes – que – ela – faz
Pra – quem tem fome comer
Tia Ciata viemos te agradecer
Iyá Kekerê…filha D’Oxum
Peço as senhoras proteção
Saravá, axé as Yamis
No Alaká o segredo da criação
(BIS)
Na Praça XI – polícia chegou…
No miudinho, iaiá e ioiô
Respeita seu moço, aqui tem axé
É arte, é cultura, é candomblé
Gira baiana…

SAMBA 04

Compositores: Robinho, Aurélio Tradição e Lício Pádua

Eu hoje sou um grito de liberdade
Pela luta e igualdade desse povo sofredor
Mas também sou amor, o acalanto
Deste povo eu sou o canto que alivia sua dor
Na busca de um novo caminho deixei o meu chão
Fugindo da fome, do açoite, da exploração
Aporto no Rio de Janeiro, cidade do carnavais
A noite firmava o tambor em louvor aos orixás.
Samba batido por negro fere a lei do doutor
É reprimido pelas mãos do seu feitor
Com lua cheia no clarão do luar
Negro cantava e dançava para sua arte mostrar.
(Refrão)
Com as bençãos de mãe preta nossa história
Segue viva na memória de geração em geração
E o samba que hoje traz modernidade
Alegria da cidade é o nosso patrimônio cultural
E a Tradição através dessa mensagem
Vem rendendo homenagem
As mães baianas, nossas mães do carnaval.
Tia Ciata fortifica nossa fé
Comunidade canta e dança o candomblé
Gira baiana, que hoje é dia de girar
E a toda esta Avenida nosso axé é uma saravá.

SAMBA 05

Compositores: Thiago Sousa, Victor Alves, Leozinho Nunes, Mestre Leo Capoeira, Leandro Thomaz, Fadico e Rafael Bart

Bahia de todos os santos
De tanto encanto
A inspiração do cantador
Chão de mãe negra baiana
Raiz africana…São Salvador
Seu quitute alimenta quem precisar
O canto forte para pranto acalentar
Veio de lá, da luta contra o invasor
A esperança aportou nesse lugar
Veio de lá, a resistência
Tem canjerê, pra saudar nosso congá
Baiana da saia rendada
Seu tabuleiro tem axé
A baiana requebrando
Quando dança o candomblé
Vai como pode, seu moço, deixa falar
A menina fez do samba seu altar
Porque a rua é do povo
Povo é a nossa bandeira
E multidão vem descendo a ladeira
É a força da cultura brasileira
A benção, mãe!
As lágrimas de outrora na Avenida…
Herança da paixão tao desmedida
Mostraram o caminho até aqui
Foi por amor que o sonho fez escola
Esse amor que hoje eu canto por ti
Gira baiana, na roda! Gira baiana!
Seu canto doce embala o meu condor
Baiana gira! de saia rodada, baiana…
Faz da Tradição seu verdadeiro amor

SAMBA 06

Compositores: Denílson Sodré, Robson Moratelli, Wagner Escócia, Dr. André Lima e Fernando Mesquita

MÃE NEGRA…

SENHORA REPLETA DE AMOR
NASCIDA NA TERRA DE SÃO SALVADOR
COM AS BENÇÃOS DOS SEUS ORIXÁS.
GUERREIRA, LEGADO DE SUPERAÇÃO
AO PRECEITO A LEALDADE
DESEMBARCOU NA MARAVILHOSA CIDADE
É LUTA É RESISTÊNCIA…ÔÔÔ
É VOZ QUE NÃO SE CALA…LALALAIA
ALMA NOBRE GENEROSA
É ANCESTRALIDADE É O CANTO DA SENZALA
MAINHA DE FÉ E RESPEITO
RITO, BATUQUE…LIBERDADE
PROTETORA DA CULTURA
UMA HISTÓRIA DE CORAGEM
VENCEU…
O SAMBA OPRIMIDO VIROU POPULAR
SE MODERNIZOU E HOJE TEM SEU LUGAR
E NESSA AVENIDA É NOSSA EMOÇÃO
VEM CANTAR A SUA GLORIA
O POVO TE ACLAMA…
TIA MÃE, MINHA SENHORA
GIRA,GIRA BAIANA…MÃE DO SAMBA
NOS ENCANTA O SEU BAILAR
DIVINA MULHER NOS TRAZ SEU  AXÉ
SOU TRADIÇÃO VOU TE EXALTAR

SAMBA 07

Compositores Zeppa Souza, Henrique Leite, Bernadette Mallet, Sandra Alves, PC, Paulo Motta e Bimbo

Intérpretes: Bernadette Mallet e Renan Carioca

Mainha nasceu na Bahia
A terra querida de São Salvador
Entoava docemente um canto triste
E alimentava seu povo com amor
Mãe negra, cansada de ver tanta exploração
Suor de negro aqui não vale o pão
Partiu pra cidade da ilusão
Na bagagem o pano da costa
E no coração um batuque de fé
E no canto da senzala a voz do candomblé
Na casa simples da rainha a sublime proteção
Suas rezas à noite em lua cheia
No quintal o batuque do samba
Lembrando as histórias de um povo feliz
Mas o doutor não gostava
E a polícia chamava pra nos açoitar
A mãe sempre nos protegia
Seus cultos e suas magias
Fez mais forte o samba e a nossa raiz
Ô, Ô, Ô hoje o samba é oração
Ô, Ô, Ô é cultura popular
Ô, Ô, Ô pulsa em nosso coração
Ô, Ô, Ô sua benção minha mãe
A força da comunidade, o grito da nossa verdade
É a voz que ecoa em nossa tradição
Bate tambor, Tradição
Saravá ê, Oxalá, Ogun, Xangô
Abre a roda pra ver a baiana girar

SAMBA 08

Compositores: André Kaballa, Márcio de Deus, Marquinho Silva, Thiago Meiners, Igor Vianna, Orlando Ambrósio, Hélio Maximus, Michel do Alto, Renan Diniz, Richard Valença, William do Salão, Fábio Martins, Diego Nicolau, Lico Monteiro.

Intérpretes: Igor Vianna, Lico Monteiro e Marquinho Silva

Voz do Quilombo, do Bonfim ou da favela
Ialorixá “Girassol” em primavera
Voa meu condor leva essa mensagem
Óh mãe baiana eu presto a homenagem
De Todos os Santos, Bahia
De São Salvador
Da pele que honra a raça na cor
Que chega ao meu Rio, um berço de bamba
Pelo Telefone “se ata” à nata do samba
Abram-alas chegou (deixa a gira girar)
A negra realeza vai subir ao altar
Joga Água e lava de fé
A maior expressão do axé, Saravá
Solto pelas ruas entre blocos e cordões
Onde a boemia inebria corações
Profana arte, festa divinal
É carnaval! É carnaval!
Soberana rainha é ela
Do Jardim és a rosa mais bela
O colo que acolhe com amor
Os filhos herdados ao som do tambor
Viva permanece a raiz
Viva à quem supera a cicatriz
E segue firme pelo bem da Tradição
Ao som do batuque peço proteção

SAMBA 09

COMPOSITORES: Eduardo Villar, Claudio Poeta, Emerson Oliveira, Ruy, Vinicius Pacífico, Breno Machado, Biscoito De Stº Elias e Parente

Brilhou OH! Brilhou…
A inspiração desse poeta.
Pra falar de ti com emoção.
Na terra de encantos e magias.
Nascia uma grande mulher.
Oh! Mãe o seu canto ecoa, em louvar seus orixás.
Partiu em buscar de liberdade, veio mostrar o seu valor.
Ih! No encontro das raças.
A mãe preta abençoou, em noites enluaradas.
Em azul e branco vou te cortejar.
NO GIRAR DAS BAIANAS ÔÔÔ
O VOAR DO MEU CONDOR ÔÔÔ
NESSE BATUQUE VENHO TE HOMENAGEAR
PISANDO FORTE A MINHA ESCOLA VAI PASSAR
Arte antes marginalizada …
Desde os tempos da senzala.
 Negros não tinham valor.
Meu samba… atravessa fronteiras.
Tenho orgulho de falar, hoje tem o seu lugar
Mães do samba pela sua devoção, és a minha inspiração
Acredite se quiser…
As baianas riscam o chão de poesias.
E a sua alegria e razão do meu cantar.
NA EXPLOSÃO DA BATERIA, VOU SAMBAR
MEU PAVILHÃO TE CONTAGIA, VOU SONHAR!
NAS ASAS DA TRADIÇÃO, EU VOU VOAR
COMO AS BAIANAS ACREDITAR