A letra e a melodia sofreram pequenas modificações, em relação ao que foi apresentado na disputa, para se adequar melhor à proposta do enredo e à voz do intérprete oficial Lucas Donato.

O samba foi muito bem recebido pela agremiação e a diretoria já prepara o calendário dos próximos ensaios técnicos de rua e de quadra com os segmentos.

– Nossa escola está se preparando há bastante tempo. Desde que terminou o Carnaval 2017 colocamos a mão na massa. Hoje, a nossa festa maior não permite que fiquemos parados. Acabou um, já estamos no próximo. É assim com as escolas da Sapucaí, e com as que estão na Intendente não pode ser diferente, comentou Vinícius Rangel.

– Exatamente! O Engenho da Rainha é uma escola da Série B que está lutando para voltar a Sapucaí. E sabemos que são estruturas de carnavais bem diferentes. Por isso, temos que aproveitar para fazer um ótimo trabalho, eu diria fazer a lição de casa. Tudo que queremos testar, testamos no grupo de acesso, pois chegando na Marquês não podemos fazer um desfile amador, diz Adriano.

– A comunidade do Engenho é guerreira demais! A dificuldade é grande. Todos sabemos como é fazer um carnaval na Intendente. Não temos apoio e muito menos condições financeiras, mas temos o maior de todos os patrimônios de uma escola, o seu povo, a sua gente. O nosso pavilhão carrega a alma de nossa comunidade e é com ela que vamos à luta, que vamos pisar o chão e que vamos dar a nossa voz com esse samba maravilhoso, finaliza Lia.

Os três formam a Direção de Carnaval da escola, que homenageará a coirmã Estácio de Sá em 2018, com o enredo: Deixa Falar: O Que É Que Há ! Academia do Samba – Hoje Sou Estácio de Sá, de autoria de Guilherme Diniz, Rodrigo Marques e Rogério Rodrigues.

Confira letra e áudio do Acadêmicos do Engenho da Rainha para 2018:

Salve a primeira academia! / Que estende o manto vermelho e branco na avenida

E ao desfilar conta a história de um povo / Que desce o morro pra cantar!

Contra o preconceito, lutou pelo direito de sambar (Deixa Falar!)

Segue os passos de Ismael, o Menestrel que consagrou

A escola de samba, celeiro de bambas / “Já fui perseguido, hoje sou professor”

Chegou a hora, vou me acabar / Berço do samba, Estácio de Sá

Veja a baiana girar, tão lindo nossos casais / Doce lembrança dos antigos carnavais

Ó Virgem Santa, olhai por nós! / O samba da Unidos de São Carlos

Eternizado em uma só voz / E o Ti-ti-ti, a Paulicéia desvairada à conquistar

Eu fui pra rua e tendo a lua como par / Te fiz morada dentro do meu coração

É tão bonito ver, a luz do amanhecer / A alvorada iluminando o teu pavilhão

“Bem no compasso, bem junto ao passo”, Oh meu leão.

Quando eu soltar a minha voz, entenda / Sou Engenho da Rainha, amor…

É… A esperança continua / Hoje o samba vai à luta pra mostrar o seu valor