Recordando Carnavais… História da Abolição e sua estreia como Escola de Samba

Publicado por

Recordando Carnavais…

Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos da Abolição

Fundação: 20/01/1976 – Bloco de Enredo

Transformada em Escola de Samba em 28 de julho de 1992

História: Um grupo de amigos moradores do bairro da Abolição, reuniam-se nos finais de semana para jogar futebol, organizar festas, participar de bailes em clubes, frequentar ensaios de escolas de samba, blocos carnavalescos e assistir aos jogos no Maracanã.

Este mesmo grupo decidiu criar uma ala, com a finalidade de brincar o carnaval e desfilar em blocos carnavalescos que se apresentavam nos carnavais de rua organizados pelos bairros. A ala recebeu o nome de “Ala do Limão” devido ao fruto cítrico que era usado na bebida servida como aperitivo, nos eventos organizados pela ala.

Foram escolhidas as cores “verde e branco”. O branco simbolizando a paz e a amizade que reinava entre todos, e o verde representa a prosperidade e a esperança num futuro promissor.

No ano de 1974, a ala desfilou no bloco carnavalesco “Xuxu do Engenho de Dentro”. Em 1975 participou do bloco carnavalesco Limão. A palavra Abolição foi acrescentada em homenagem ao bairro onde moravam os fundadores do bloco.

Por onde desfilava o B. C. Limão da Abolição causava grande emoção e o motivo deste sucesso era sua garra, sua alegria, a empolgação dos seus componentes e principalmente por sua excelente bateria. Numa das reuniões de diretoria foi aprovada a fusão com o B. C. Guerreiros do Goró. Este fato ocorreu em 20 de janeiro de 1976 e na ocasião o bloco passou a chamar-se G. R. B. C. Acadêmicos da Abolição.

Nesta assembleia também foi aprovado o símbolo da agremiação, que é representado por três elos, significando a união entre os blocos Limão da Abolição e Guerreiros da Goró que resultou no G. R. B. C. Acadêmicos da Abolição. Já a coroa representa o êxito dessa união e os ramos de louro, simbolizam a glória e o triunfo. São Sebastião foi escolhido protetor da agremiação, devido à data de fundação coincidir com a data em que se comemora o dia de São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro.

Desfilou pela primeira vez, oficialmente, no carnaval de 1977, permanecendo como bloco até o ano de 1992. Em assembleia geral realizada em 28 de julho de 1992 foi sugerida e aprovada por unanimidade a transformação de G. R. B. C. Acadêmicos da Abolição para G. R. E. S. Acadêmicos da Abolição.

A agremiação escolhida para apadrinhar a então caçulinha do carnaval foi a G. R. E. S. Acadêmicos da Rocinha, que aceitou prontamente o convite. Neste momento as duas agremiações selaram o pacto de se ajudarem sempre que possível. Essa escolha se deu pelo fato de ambas terem grandes afinidades e também por terem trajetórias parecidas.

Outro compromisso assumido pelos fundadores presentes na reunião, além do trabalho voltado para o crescimento da escola, seria o de implantar e desenvolver projetos sociais em prol da comunidade local e adjacente, cumprindo assim sua função sócio-cultural participando ativamente do desenvolvimento do bairro da Abolição.

Desfilou pela primeira vez como escola de samba em 1993. A Abolição desfilou na Marquês de Sapucaí em 1995 e 1996.

Carnaval de 1993

Enredo: BONS VENTOS NOS TRAZEM

Resultado: 3º Lugar do Grupo de Acesso (5ª divisão) da AESCRJ com 177 pontos

Data e Local e Ordem do Desfile: 6ª Escola de Samba a desfilar no Grupo de Acesso em 22/02/1993, Segunda-Feira, na Av. Rio Branco, Centro, Rio de Janeiro, RJ

Sede/Quadra: Rua Teixeira de Azevedo, nº 69, Abolição, Rio de Janeiro, RJ

Autor do Enredo e Carnavalesco: Luizinho 28

Presidente Administrativo: N/C

Presidente do Conselho Deliberativo: Hélcio Aguiar

Diretor Comercial: Mário Luiz Nunes dos Santos

Contingente: Entre 1.600 a 1.800 Componentes, 16 Alas, 1 Carro Alegórico, 18 Destaques, 100 Baianas, 150 Crianças, 150 Ritmistas na Bateria

Enredo:

A mais nova escola de samba da cidade do Rio de Janeiro apresentou um enredo sobre as quatro estações do ano e suas festas mais populares. O enredo “Bons ventos nos trazem”, de autoria e desenvolvimento do carnavalesco Luizinho 28, foi dividido em 16 alas e um carro abre-alas. O verão terá figurinos representando o carnaval, o Natal e o réveillon; a primavera, de São Cosme e São Damião; o inverno, das festas juninas; e o outono, da Páscoa.

Samba-Enredo:

Um vento que soprou
Anunciou que vem chegando um vendaval
Que vai sacudir essa avenida
É a caçulinha do carnaval

Flores, esplendor da natureza
Que maravilha, a brisa me traz canção
As cores dão um banho de beleza
E o poeta exala inspiração
Verde que te quero verde
Borboletas, passaradas, alvorada de estação

É primavera, é tempo de São Cosme e Damião
Vem chegando o calor
Vou pegar uma cor com meu amor

Lá vou eu, meu reveillon, é carnaval, pleno verão
No peito explode a paixão, tulipa de chope na mão
Sou pierrô, sou arlequim, eu sou povão
Papai Noel vem chegando com presentes
Aproveite o tempo quente
O coelhinho no outono, a festa é santa
É Páscoa, flores secas no chão
Mas no inverno, chuva e frio a gente espanta
Na beira da fogueira e com quentão

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fontes:

Arquivo Nacional

Samba na Intendente

Galeria do Samba

Só Samba

Jornal O Globo (RJ), Ano 1993, Página 5 de 03 de fevereiro de 1993, Matutina, Jornais de Bairros

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.