O Presidente do Chora na Rampa, Abedias Matias de Oliveira Neto “Dom AMOM”, está rindo à toa com o rumo que sua agremiação está tomando para o Carnaval 2017.

Não satisfeito com o último desfile da escola, no qual terminou no 13º lugar do Grupo E, Dom AMOM está apostando numa nova fase da escola e para isso não está medindo esforços nas suas novas contratações e está apostando nas suas Damas de Ferro para o próximo ano.

Com o Enredo Nordeste … Encantos de um povo festeiro, ele entregou a administração artística do Chora na Rampa à coreógrafa Márcia Domingos que possui uma vasta experiência. Coreógrafa formada em história da arte e dança, formou a Companhia de Dança MD onde se apresenta em vários eventos e cerimoniais. Márcia aceitou o desafio de comandar a comissão de frente da agremiação e já arregaçou as mangas rumo ao carnaval de 2017…

A Diretora de Carnaval Clenilce Cruz Dantas é uma grande aposta do Chora na Rampa. Ela será responsável pela coordenação geral de carnaval. Clenilce tem grande experiência administrativa, sobressaindo no Carnaval, no qual passou pelas escolas de samba Unidos do Viradouro, Mocidade Independente de Padre Miguel, União da Ilha, além de ter sido Presidente do Departamento Feminino do Império da Zona Oeste em 2016.

Na Coordenação de Alas da escola está a Diretora Derléia dando ênfase em agregar experiência e desenvolver os presidentes de alas, que terão papel importantíssimo para o próximo desfile tendo em vista que agremiação terá várias alas coreografadas.

Cláudia Ravizzini, destaque principal da escola, vem desenvolvendo um trabalho social e cultural junto as crianças e adolescentes, além de coordenar e orientar os demais destaques.

A ala da velha guarda é o bem maior da escola de samba Chora na Rampa e tem duas de suas baluartes no comando da mesma. Lucille Medeiros e Dona Fátima estão dando um toque de excelência à preto e amarelo de Campo Grande. Trabalho este que trazem a certeza que “DIAS MELHORES VIRÃO”. Como diria outra baluarte da escola, Dora BastosAs mesmas prometem trabalhar a mão de ferro e dar ênfase a missão a elas atribuídas, trazendo uma nova era administrativa e carnavalesca para a agremiação”.