CONFIRA A SINOPSE DO EMBALO CARIOCA SOBRE O GLORIOSO IMPÉRIO SERRANO

Publicado por

O Embalo Carioca possui uma Comissão de Carnaval para o Carnaval de 2017 e um dos carnavalescos da agremiação é Vinicius Padilha Carr, que começou na Acadêmicos de Madureira ao lado do recém falecido Noan Hilton. Vinicius falou com exclusividade ao Samba na Intendente sobre a perda do ex-companheiro de carnaval e também sobre a sua contratação no Embalo Carioca:

– A perda do Noan foi algo inesperado, pegou todo mundo de surpresa. Uma semana antes eu estava com ele fechando o enredo da Acadêmicos de Madureira e após isso soube de sua morte pela internet. Foi impactante e devastador. Começamos juntos, fazíamos tudo juntos, éramos uma dupla. Pela primeira vez me vi sem chão. Mas ao mesmo tempo veio a conversa com o Embalo Carioca, essa escola tem uma energia maravilhosa, talvez seja a grande surpresa do Grupo E, o desfile desse ano sobre a Sandra de Sá foi a melhor revelação da Intendente Magalhães, ninguém esperava que o Embalo levantasse a arquibancada em plena madrugada. Quando vi o desfile pensei: “quero ir trabalhar nessa escola” e logo depois o Flávio (presidente do Embalo) entrou em contato comigo.

Sobre trabalhar com outros carnavalescos, Vinicius diz que não vê nenhum problema:

– Sempre trabalhei com o Noan, trabalhar em equipe é muito melhor, sou democrático, numa época em que chutam a democracia para fora do país, é importante respeitar a opinião de todos, sei ouvir e sei quando dão uma ideia melhor que a minha. Agora é preparar o carnaval para 2017, finalizou Vinicius Carr.

Confira a Sinopse do Enredo sobre os 70 anos do Império Serrano:

ENREDO: IMPÉRIO SERRANO, 70 ANOS DE GLÓRIAS

14593387_1368939193118086_111792292_n

As escolas de samba fazem parte do cenário cultural do Brasil, e mais precisamente do Rio de Janeiro. Foram em terras cariocas que o movimento de ascensão do samba, e por conseguinte dos desfiles das escolas de samba, tomaram forma e se criaram. Nascidas em terreiros de Candomblé, tendo como parteiras as mães de santo da época (Tia Ciata que o diga), as escolas de samba são fruto da fusão do sangue negro, das tradições trazidas da África e da malandragem carioca, do suingue e da fé, uma mistura que só encontra ecos num país multifacetado como o Brasil.

Até o fim da década de 70 apenas quatro escolas de samba brigariam pela hegemonia do carnaval carioca, todas quatro da própria cidade do Rio de Janeiro: Mangueira (do morro da Mangueira em São Cristóvão), Salgueiro (do morro do Salgueiro na Tijuca), Portela (da estrada do Portela entre Madureira e Oswaldo Cruz) e o Império Serrano (do morro da Serrinha em Vaz Lobo), nosso grande homenageado, que nasceria do Prazer da Serrinha, uma antiga escola de samba comandada com mão de ferro por Alfredo Costa, seu dono. Os maus resultados do Prazer da Serrinha aliados a uma postura ditatorial do então mandachuva da escola foram o mote para o nascimento do Império Serrano.

O branco é paz

O verde é esperança

Diz o ditado

Quem espera alcança

Eu esperei

E alcancei

Império tudo por ti farei

Esses versos de Antenor resumem um pouco o processo de fundação do Império Serrano, suas cores e a relação quase familiar que os integrantes tinham com a escola. O Império Serrano nasceu com uma política democrática, e parte disso resulta da participação do sindicato dos estivadores, já que muitos moradores e fundadores do Império faziam parte do sindicato e já tinham uma noção de democracia que levaram para a escola de samba recém fundada.

O Império Serrano é fruto da herança dos ex-escravos que foram viver no morro da Serrinha em Vaz Lobo, é fruto das influências que trouxeram o jongo, a capoeira e o candomblé, e tem em suas raízes todos esses elementos, além da política e da noção de fazer “tudo junto”, com todos lutando pelo bem comum, que neste caso é ver a escola desfilar bem e fazer frente às outras grandes do carnaval.

Essa organização do Império Serrano já lhe deu de cara um tetracampeonato histórico, foram quatro títulos seguidos que alicerçaram de vez a escola entre as grandes do carnaval, e que também serviu para criar uma rixa histórica com a irmã e vizinha Portela.

Os quatro primeiros títulos do Império resumem bem os enredos históricos da época, todos com tons ufanistas: o desfile de estreia que se sagrou campeão em 1948 – “Homenagem a Antônio Castro Alves”, o bicampeonato em 1949 com “Exaltação a Tiradentes”, o tricampeonato em 1950 com “Batalha Naval do Riachuelo” e o tetracampeonato em 1951 com “Sessenta e um anos de República”. Esse tetracampeonato daria ao Império Serrano uma posição entre as três consolidadas grandes escolas cariocas. Na época existiam dois grupos que organizavam os desfiles, mas mesmo depois da unificação desses grupos, viria o bicampeonato em 1955 (Exaltação a Caxias) e 1956 (Caçador de esmeraldas ou sonho das esmeraldas) seria a afirmação do Império como parte do chamado grupo das quatro grandes, e azedaria de vez o relacionamento com a coirmã de bairro Portela.

Dentro dos temas ufanistas e históricos ainda haveria o título de 1960 com o enredo “Medalhas e Brasões”, em 1964 o Império Serrano ficaria em 4º lugar com aquele que é considerado o maior samba-enredo de todos os tempos: Aquarela Brasileira, do mestre Silas de Oliveira, que fazia parte da galeria estelar dos grandes compositores do Império: Antenor, Tião Fuleiro, Aniceto, Mano Décio da Viola, Altamiro Maia, Estanislau Silva, Penteado, Dona Ivone Lara, Molequinho, Aluísio Machado, Beto Sem Braço e Arlindo Cruz, entre tantos outros.

O inovador carnavalesco Fernando Pinto daria ao Império Serrano o título de 1972 com o enredo “Alô, alô, taí Carmem Miranda”e ainda faria o antológico desfile de 1976 com o famoso enredo “A Lenda das sereias, rainhas do mar”, a escola ficaria apenas na 7ª colocação, mas o samba se eternizaria na voz de vários intérpretes da MPB.

Em 1982 viria o último título do Império Serrano, o famoso “Bumbum paticumbum prugurundum” cantado a plenos pulmões pelas arquibancadas e até hoje lembrado pelo mundo do samba.

O Império Serrano existe como escola de manifestação popular, sem grandes patronos e sem ajuda financeira de grandes corporações. Talvez seja ainda a única das grandes escolas que exista pelo simples prazer de seus integrantes em formar uma escola de samba. O Império Serrano é uma instituição popular, de herança negra e que ainda terá longa vida no mundo do samba carioca.

Por Vinicius Padilha Carr

Carnavalesco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.