Estreando no Carnaval, a Independentes de Olaria divulgou o seu enredo e logo para 2018. No seu primeiro desfile, a escola aposta num tema afro-indígena para despontar na Intendentes Magalhães.

O Lobo Forte da Leopoldina faz uma viagem pelas florestas brasileiras para contar uma lenda atemporal, criada pelo carnavalesco também estreante Vinícius do Nascimento. “O presidente decidiu por uma temática bem brasileira nessa estreia no Carnaval. Mostrei a ele uma poesia minha escrita há alguns anos e ele topou. Trabalhei em cima dessa poesia e criei o enredo”.

Intitulado de “Janaína, a índia que virou sereia do mar”, o enredo será desenvolvido pelos carnavalescos Vinícius do Nascimento, Guilherme Diniz e Rodrigo Marques.

A Independentes de Olaria fará uma feijoada no dia 16 de setembro pra apresentar o enredo.

Confira a Sinopse:

Enredo: Janaína, a índia que virou sereia do mar

Um doce canto ecoa pelo verde da floresta. Cada ser da mata virgem se encanta e se estremece com a linda melodia. É Yara, mãe das águas doces, convidando suas sereias para mais um dia de festa sob a luz do luar sereno. De cada parte do rio, elas chegam juntamente com botos e outros peixes e se põem a cantar e encantar com a Mãe d’Água. Na aldeia mais próxima, os tupinambás silenciam em respeito e por medo. Sabem que quem se deixa levar pelo canto das sereias acaba no fundo das águas do rio. Todos tremem e temem. Ou quase todos. Apenas Janaína, filha do cacique tupinambá, adorava e se embalava a ouvir aquele costumeiro som. Era uma jovem curiosa e desbravadora e numa dessas aventuras pelas matas protegidas por Curupira, havia encontrado o recanto onde se reuniam as sereias. Não tinha o que temer, pois já conhecia aquele canto e sempre corria ao seu encontro. Era sinal de festa no rio e lá ia a bela jovem se aventurar pelas matas de Oxóssi.

Janaína já era mulher, mas tão jovem quanto uma menina. Sua pele era de um tom morenado que reluzia o raiar do Sol e o brilho da Lua. Seus olhos eram verdes, raridade entre os seus, o que causava encantamento e medo, já que segundo sua tribo, era a cor dos cabelos de Yara. Talvez por isso, a moça não temia o canto da Mãe d’Água e suas sereias. O pajé de sua aldeia dizia que era filha de Yara, uma encarnação da dona dos rios. E tal como a mãe, Janaína era independente e exalava amor próprio, o que seduzia os homens. E os deuses.

Seguindo o som entoado pelos ares, chegava à beira do rio, saudava Yara e as sereias, adentrava às águas e se punha a dançar ao ritmo da melodia. Seu corpo se movia delicadamente, num balé harmonioso que se combinava com o doce cantar. Dançava com os botos, com os peixes, com as sereias… Parecia em transe e talvez estivesse, pois nada lhe tirava a atenção, nem mesmo os olhares intrusos.

Do alto da morada divina, como de costume, Tupã se admirava com o bailar de Janaína ao som do canto das sereias do rio. Era apaixonado pela bela morena de olhos verdes, herdeira de Caupé, a deusa da beleza. Sonhava acordado, pensando no dia em que bailariam juntos pelos céus do Universo. Mas apesar de toda a sua paixão, sabia que era proibido o amor de um deus por uma mortal. Somente Rudá, o deus do amor, poderia permitir um romance proibido, mas se a jovem tupi também estivesse enamorada. De longe, tentava encantar Janaína e como prova de amor, fez florescer lírios amarelo ouro à beira do rio. A jovem pouco se importou, continuou seu doce bailar.

Pirarucu, o deus do mal, rival de Tupã, descobrindo a paixão do grande deus tupi pela jovem Janaína, ria-se, pois sabia que a moça não pretendia se unir a ninguém, nem mesmo ao maior dos deuses. Em sua mente perversa, Pirarucu planejava uma revanche contra Tupã e aquela era uma oportunidade imperdível. Há tempos alimentava ódio pelo deus trovão, desde quando Tupã o havia transformado no grande peixe das águas doces. O plano era induzir Tupã a acreditar que Janaína também estivesse apaixonada por ele e assim, o deus desceria de sua morada para se declarar à sua amada. Com a rejeição, o deus trovão seria humilhado e sofreria a mais profunda e maior das dores: a dor de amor. O perverso Pirarucu espalhou a notícia entre os seres do rio, que falaram aos seres das matas, que contaram aos seres dos ares e estes, por fim, anunciaram a Tupã: Janaína lhe rendia amor. O engano funcionou.

Iludido com a reciprocidade, Tupã se enfeitou com as mais belas penas e pedras preciosas, pintou-se de vermelho e todo aprontado, desceu de rompante num raio à beira do rio, que já se movia em festa e lá estava Janaína, bailando como sempre. De canto de olho, a índia reparou a presença do deus tupi, que se apresentava com quase dois metros de altura e que parecia ainda maior devido o tamanho de seu cocar. E mais uma vez, a moça pouco se importou. Dançar ao som do canto das sereias era o seu amor maior.

Tupã se aproximou, declamou uns versos apaixonados e nada. As sereias riam daquela cena, o que constrangeu o deus trovão, mas que ainda assim, continuou a investida. Tentou dançar ao redor de Janaína, como se fosse a dança do acasalamento, mas o grande deus tupi não tinha harmonia em seus movimentos. Janaína se afastou. Ao longe, Pirarucu gargalhava.

Numa última tentativa, Tupã se aproximou com violência e agarrou a moça à força. Janaína, apesar de sua delicadeza, era forte e possuía enorme bravura e não cedeu facilmente. Lutou contra o deus trovão e quando conseguiu se desvencilhar, fugiu pela beira do rio. Tupã trovejou e ensurdeceu toda floresta; não poderia aceitar tamanha rejeição. Correu atrás de Janaína. Percebendo que Tupã não desistiria, Janaína tentou pular no rio, mas antes que seu corpo tocasse as águas que lhe protegeriam, o deus trovão, humilhado e cheio de raiva, lançou um raio fulminante em sua direção. No mesmo momento, seu corpo virou cinzas e caíram nas águas doces. Tupã silenciou. A floresta inteira também.

Todas as sereias e os seres do rio ficaram inertes, em choque, até mesmo o maléfico Pirarucu. De repente, ecoou um pranto de dor. As sereias, que antes cantavam em alegria, agora cantavam de dor. Choravam e cantavam as redor das cinzas, que começaram a seguir o curso do rio. Numa última homenagem à amiga tupi, as sereias seguiram em cortejo o que restou de Janaína até o desaguar no mar.

Já era noite e brilhava uma formosa Lua Cheia, quando chegaram ao reino de Iemanjá. Lá, a grande mãe das águas salgadas se compadeceu com aquela lamentação. Recolheu as cinzas de Janaína e num pedido a Oxalá, intercedeu pela índia menina. O misericordioso pai, atendeu e num encanto, da mistura das cinzas, águas salgadas e brilho lunar, deu vida à uma nova e doce sereia: Janaína, cabocla do mar.

O mar celebrou em festa e logo a notícia subiu rio acima, chegando à tribo dos tupinambás. Janaína, que antes era filha dos rios, tornou-se princesa no mar. Era a filha predileta de Mãe Iemanjá, confundindo-se com a mesma, eventualmente. Tambores rufaram em alegria e até hoje se ouve rufar pelos quatro cantos da Terra Brasil, em harmonia com os cantos em louvor à Janaína, a índia que virou sereia do mar.

Salve Janaína! Salve a sereia do mar!

Justificativa: O enredo da nossa escola pretende contar uma lenda afro-indígena baseada na poesia “Janaína”, de Vinícius do Nascimento, que versa a história de uma índia que virou sereia, como se vê a seguir:

Janaína

Em seus verdes olhos
Vejo as matas de Oxóssi
Desbravadas pela cabocla Janaína.
Índia mulher, índia menina,
Que nas doces águas de Oxum
Baila ao som do canto das sereias.
Tupã, do alto de sua morada,
Admira-se com aquele encanto,
Fazendo florescer no recanto
Lírios amarelo ouro…
De paixão, caiu o deus trovão.
A índia pouco se importava,
Apenas bailava sob o véu do luar sereno.
Eis então que o enamorado deus,
De rompante como um raio,
Desce do céu e se declara à sua amada.
A bela morena,
De forma um tanto esperada,
Rechaça o deus tupi,
Preferindo o baile àquele amor.
Com o coração empedernido,
Cheio de raiva e rancor,
Tupã troveja ensurdecedor
E fulmina a amada com um raio.
As cinzas de Janaína descem o rio rumo ao mar,
Levadas em cortejo pelo pranto das sereias
Que agora cantam em lamento.
Ao chegarem ao reino de Iemanjá,
A rainha se compadece e faz uma prece a Oxalá…
Como que num encanto, sob a luz da Lua Cheia,
As cinzas misturadas às águas salgadas,
Dão vida à uma doce sereia: Janaína, cabocla do mar.

O Lobo Forte da Leopoldina vai homenagear a cultura indígena usando como fio condutor a lenda contada em verso e prosa, passando pelo mito até chegar à espiritualidade, onde a índia é cultuada por diversas religiões brasileiras, seja como encantada, como cabocla ou como sereia do mar, sendo um dos nomes atribuídos à Iemanjá. E encantados pelo canto das sereias, iremos do rio ao mar, bailando e celebrando Janaína, como há séculos os nossos ancestrais fazem.

Ô Janaína vem ver, ô Janaína vem cá, ver a nossa Independentes de Olaria lhe homenagear!

Autor da Sinopse: Vinicius do Nascimento