Arame de Ricardo 2019

Enredo: O Primeiro bailarino do carnaval

Sinopse:

Estrada do Portela 446, Oswaldo Cruz, anos 50…

Quem era aquele menino? Franzino, travesso, moleque sonhador, mal sabia que carregava em seus pés a poesia. Embalado no berço do samba carioca, tia Dodô sempre ao seu lado, teve na lendária porta bandeira uma companhia e talvez a primeira parceria. Ali, no lugar onde cresceu, Natal em uma de suas ordens mais felizes o intimou a sambar, nascia onde hoje chamam Portelinha, uma das trajetórias mais bonitas do carnaval.

Seus pais , seu Argemiro , primeiro Pandeirista da história da Portela e Dona Jacyra, presidente de ala , baiana e velha guarda , não imaginavam que seu filho “Nininho” se tornaria um dos maiores nomes da escola a qual dedicaram tantos anos de suas vidas.

Que venham todos os baluartes, a nata, vamos evocar mesmo os que já não estão neste plano para prestar esta homenagem e reafirmar nossos valores.

Negro, de talento natural, bailarino, alcunha concedida por nomes como Mercêdes Batista, Valter Ribeiro e Vilma Vernon.

Ao lado de Virgínia Lane fez sua primeira viagem, não demorou para ganhar o mundo, foram centenas de shows representando nossa cultura. Gafieira, danças típicas regionais, africanidade , e claro, o samba.

Coreógrafo, algumas de suas comissões de frente permeiam o imaginário de quem ama os desfiles , quem não lembra dos escafandristas na campeã Mocidade em “Chuê Chuá… as águas vão rolar” 1991? Os jogadores de basquete na mesma Mocidade em ” Marraio feridô sou rei “1993? As figuras carnavalescas do inesquecível ” Gosto que me enrosco da Portela em 1995? Sem falar na tradicional ala sambarte, resistência de décadas, dentre tantos outros trabalhos…

Mestre Sala, um dos maiores de todos os tempos, garboso, altivo, protegeu pavilhões, cortejou porta-bandeiras, deslizou seu dom na passarela da fantasia, guardião das nossas raízes, ensina até hoje os fundamentos da dança.

Religioso, filho de Oxum e Xangô, carrega na fé a força pra enfrentar as dificuldades, e confia na justiça.

Sacerdote, quem guarda os preceitos da religiosidade portelense, da conversa ao pé do ouvido com São Sebastião, ao altar dedicado a Nossa Senhora da Conceição, padroeira do mundo criado por um certo “professor”.

Nos dias de hoje, onde nossa luta é nos manter como expressão cultural maior da cidade, o Arame de Ricardo presta essa homenagem mais do que justa, a um ícone do carnaval, um sambista que lutou contra o preconceito e venceu, orgulho da gente, representante do ideal de Paulo Benjamin de Oliveira.

Baila Jerônimo!!! Esta avenida é sua, deixa Ricardo de Albuquerque encantar com sua história, nos empresta seu gingado, abre nossos caminhos, seja nosso mestre de cerimônias, faz a harmonia. Olhe a sua volta, seus amigos dos tempos do Bangu, Jacarezinho, Arranco, Santa Cruz, União da Ilha, Salgueiro, Mocidade, Imperatriz, todo mundo do samba e a sua Portela, ah Portela… veja esta avenida em azul e branco, teu povo veio te abraçar e em uma só voz dizer…

Ao primeiro bailarino do carnaval…

Muito obrigado

Samir Trindade

Entrega dos sambas dia 18 de abril das 8:00 às 22 hrs pelo e-mail: aramesambaenredo2019@uol.com.br ou pelo whatsapp: 21 964625163.

Semifinal: 06/05 – 6 sambas classificados (quadra Arame)

Final: 12/05 – 4 sambas classificados (Portelinha)