O G. R. E. S. Delírio da Zona Oeste, presidido por Naldinéia Barcelos, está voltando ao carnaval carioca após um ano de suspensão. A escola almeja desfilar em 2019 na Série E da LIESB na Estrada Intendente Magalhães.

A agremiação irá comemorar o aniversário de 20 anos com grande festa com várias atrações no próximo sábado, dia 24 de março, a partir das 14 hs, em sua quadra, que fica localizada na Rua Campo Grande, nº 8. Na ocasião será servida uma deliciosa sopa de ervilha.

No evento, a azul e branco de Campo Grande irá apresentar o seu enredo para o próximo carnaval, “DELÍRIO É BRASIL DO OIAPOQUE AO CHUÍ”, que será desenvolvido pelo Carnavalesco Marco Guedes, com a divulgação da sinopse e explanação do enredo.

A Delírio da Zona Oeste anunciou alguns nomes para 2019, além do Carnavalesco Marco Guedes, tais como: Intérprete oficial Caim da Praça, Diretor de Bateria Maurício José Vicente “Mestre Tureca”, Niely Bueno Rainha de Bateria, Diretora de Carnaval Clenilce Dantas e Musa Juliany Dantas.

Grêmio Recreativo Escola de Samba Delírio da Zona Oeste

Fundação: 09/03/1998 (20 anos)

Cores: Azul e Branco

Símbolo(s): Cobra Naja

Bairro: Campo Grande

Sede/Quadra: Rua Campo Grande, nº 08, Campo Grande, Rio de Janeiro/RJ

Presidente: Naudinéia Albertina Barcellos

Escola Madrinha: Beija-Flor de Nilópolis

Bateria: Venenosa

Enredo: “DELÍRIO É BRASIL DO OIAPOQUE AO CHUÍ

Carnavalesco: Marco Guedes

Breve Histórico:

O grande sonho de Francisco Cezar Mariano era fundar uma escola de samba em seu bairro natal Campo Grande e para concretizar a ideia convidou Vicente do Mangueiral e Cizinha do Cavaco seus amigos do GRES Boêmios de Inhaúma, que com ele viabilizaram a parte documental.

Após vieram vários amigos do bairro para fundação da agremiação: Ademir, Cadinho, Naudinéia Barcellos, Humberto, Carlos Magno, Marcilene, Sal, Mirian, Neném da CDD, Fátima Cristina Correia, Kátia, Solange, Sargento, Nem, Jorge, Sueli e Lúcia Mariano, Emerson, Seu Helinho, Biluda, Bruno e sua mãe Nilce, Paulo, Zé Luiz e Francisco Sales, Lurdinha e André, Pepsi, Dona Elizabete, Dona Vera, Edna e Isa, os irmãos Metralha Pitu, Tetéu e Titi e outros. Uniram-se ainda os compositores locais Dandão, Celsinho, Nirinho, Marisa, Walmir Paulo, João Tenente, Lúcio, Jaci Campo Grande, Marcelinho do Cavaco, Nando da Ponte, Sóssa, Tuninho Legal, Zé Neguinho, Paulo Macaquinho, Jessé, Kaká, Galego, Ditão, Tiãozinho do Cavaco, Hogim, B. Jota e outros.

Fonte do Histórico: Site Academia do Samba