CARNAVAL 2019

GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA COLIBRI

PRESIDENTE: Devanir Rafael Alves

ENREDO: “RESERVA BIOLÓGICA DE TINGUÁ: A AMAZÔNIA DO SUDESTE”

AUTORA: Graça Machado

CARNAVALESCOS: Comissão de Carnaval

SINOPSE

JUSTIFICATIVA DO ENREDO

O objetivo deste enredo é contar um pouco da história desse pulmão da baixada fluminense que é a Reserva Biológica de Tinguá.

Na Reserva fica importante bacia produtora de água potável com seus recursos hídricos que são importantes para a sobrevivência da Fauna e Flora e a nossa própria.

O GRES Colibri através desse enredo quer dar nossa contribuição para combater as suas ameaças que são entre outras: ações ilegais de caçadores, palmiteiros, ladrões de areias, pedreiras clandestinas, passarinheiros, carvoeiros e etc…

HISTÓRIA DA REBIO DE TINGUA

Foi D. Pedro II por volta de 1890, transformou em floresta Protetora, esses 26 mil hectares de Mata Atlântica, encravada na Serra do Mar, que ficam em nossa cidade de Nova Iguaçu, fazendo divisa com Duque de Caxias, Petrópolis e Miguel Pereira. Em 1941, o governo de Getúlio Vargas a decretou como “Floresta Protetora da União”, sendo transformada em 1989 como Reserva Biológica, após intensa mobilização da sociedade; e desde 1993, via UNESCO, tornou-se patrimônio Natural da Humanidade.

Seus primeiros habitantes foram os índios da Tribo Jacutinga, Guerreiros Tupinambás, quando da ausência dos guerreiros, das aldeias, quando se aliaram aos Franceses em guerra contra os Portugueses que os queriam escravizar, suas mulheres, crianças e idosos, procuraram a proteção de “Anhangá” protetor das florestas e se aldearam no maciço de Tinguá. Mais tarde foram descobertos e vergonhosamente massacrados pelos portugueses.

Esse maciço foi cortado pelo Caminho do Ouro ou Estrada Real, construída pela coroa portuguesa, cujo calçamento continua até hoje com bom estado de preservação. Este caminho foi usado também pelos tropeiros para o escoamento do café do Vale do Paraíba.

Pedro II construiu a estação de captação e tratamento de água do Rio D’Ouro, que passou a abastecer a cidade a Cidade do Rio de Janeiro. E importou da França suas guardiãs de pedra, Ninfas (espírito da Natureza responsáveis por levar felicidades e alegria a seus protegidos). Até hoje suas represas e aquedutos da época do império funcionam em perfeitas condições.

Na Rebio, foi descoberto o menor anfíbio do mundo, o sapo-pulga. Além de abrigar vários animais ameaçados de extinção como: gavião-pomba, gato-maracajá, onça-parda, onça-pintada, águia cinzenta, … e outros: frango d’água, garça branca, jaçanã, cachorro-do-mato, guaxinim, jaguatirica, gato-do-mato, veado mateiro, macaco-prego, bugios…

Sua fauna é bastante diversificada, são Jatobás, sapucaias, figueira-do-brejo, canelas, ipê-do-brejo, várias espécies de palmeiras, bromélias, orquídeas, palmito e xaxim, esses últimos devido ação ilegais estão ameaçados de extinção.

A Colibri vem através deste mostrar que a preservação da Rebio de Tinguá, não se trata apenas de proteção da flora e da fauna, mas, sim da nossa vida, da vida de nossas crianças, pois ela é nossa Amazônia é responsável pelo volume de chuvas que irrigam nossa Baixada e sem suas árvores e nascentes teríamos um clima com um calor que seria insuportável de vivermos.

A agremiação premiará os primeiros colocados com troféus para 3°, 2° e 1° lugares. A parceria do samba campeão ainda receberá prêmio em dinheiro no valor de R$ 1.000,00.

*O Colibri não irá desfilar na Estrada Intendente Magalhães em 2019 e sim em Nova Iguaçu.

Confira o Roteiro do Desfile:

Comissão de frente: Índios Guerreiros Tupinambás

1° ala: Portugueses

2 ° ala: Franceses

3° ala: Tropeiros

4° ala: (Baianas) Águas

5° ala: (Passistas) Ninfas

6° ala: (Bateria) Floresta

7° ala: Flora

Carro Alegórico

8° ala: Fauna

9° ala: (Crianças) Sapo-Pulga

10° ala: Destruidores da Natureza (Caçadores, Passarinheiros, Carvoeiros)

11° ala: (Compositores) Protetores da Natureza

12° ala: (Velha Guarda) Patrimônio Natural da Humanidade