Conheça a Logo e a Sinopse da Chatuba de Mesquita para o Carnaval 2020

Publicado por

Grêmio Recreativo Escola de Samba Chatuba de Mesquita

Enredo desenvolvido pelo carnavalesco Alex Carvalho

Texto e pesquisa: Alex Carvalho, Caio Cidrini e Arthur Gabriel

Logo Alex Carvalho e Lucas Guerra

SINOPSE

A Amazônia é um dos patrimônios mais valiosos de toda a humanidade e a maior reserva natural do globo terrestre. Com sete milhões de quilômetros quadrados, o bioma é fundamental para o equilíbrio ambiental, hídrico e climático do nosso mundo. Sem ela, o planeta pode até sobreviver. Nós não.

AMAZÔNIA – JACUTINGAS A INSPIRAÇÃO, DA MINHA ALDEIA ECOA O GRITO PELA PRESERVAÇÃO

A natureza chora ao ver a sua floresta arder em chamas. Nossa biodiversidade repousa em cinzas, tal qual asfalto, por causa da ganância de poucos que já tem muito e querem ainda mais. Ganância que durante 520 anos destruiu e destrói nosso bem mais precioso: a Amazônia. Para eles, não há descanso enquanto não houver mais um único tronco em pé, um único rio limpo, uma única ave cantando e um único índio em paz. Hoje, a Chatuba se inspira em seu passado jacutinga para fazer ecoar um grito pela preservação da floresta.

“Se Deus me deu vou preservar
Meus filhos vão se orgulhar
A Amazônia é Brasil, é luz do criador”
(Beija-Flor, 2004)

A Amazônia é berço da maior bacia hidrográfica do mundo. Todos seus rios, córregos, ribeirões e demais cursos de água deságuam no rio Amazonas, o rio-mar que nasce nas cordilheiras peruanas e corta 5 países e 7 estados brasileiros. Lar de mais de 3 mil espécies de peixe, as águas amazônicas também abrigam a rainha da flora aquática, a vitória-régia. Com uma fauna que acolhe 150 mil outras espécies, como as araras, onças e outros símbolos da nossa floresta, a Amazônia é a casa de 20% de todos os animais do planeta.

“É o rio que corre a caminho do mar
A flor que se abre na primavera
Do ventre a esperança que vem renovar
O sonho de uma nova era”
(Portela, 2008)

Em meio ao risco iminente da destruição total da sua terra, os povos amazônicos resistem. Índios, caboclos e ribeirinhos batem o pé no chão para manter sua tradição e deixar acesa a chama da sua cultura. Entre carimbós, boi-bumbás, lendas e mistérios como os do Boto e de Iara, o folclore amazônico se perpetua. Em sua religiosidade, Nossa Senhora de Nazaré dá forças para persistir.

“Oh mãe senhora, sou teu romeiro
A ti declamo em oração…
Oh mãe, mesmo se um dia a força me faltar
A luz que emana desse teu olhar
Vai me abençoar”
(Imperatriz Leopoldinense, 2013)

Evocamos, por fim, os seres mitológicos capazes de proteger a floresta. Que curupira despiste e faça joça de todo caçador e que a chama de boitatá se levante contra todo aquele que ousar atear fogo às nossas árvores. Com o espírito de preservação deles, a águia une as tribos de hoje e de ontem para que possamos ter um amanhã. Em uma só voz gritamos pela Amazônia.

“Deixe nossa mata sempre verde
Deixe nosso índio ter seu chão.”
(Mocidade, 1983)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s