Rafael Marçal não é mais o Diretor de Carnaval da Unidos de Bangu que desfila no Grupo B na Estrada Intendente Magalhães. Em fevereiro deste ano, Rafael Marçal havia sido contratado para ser o Diretor de Carnaval da escola visando o Carnaval de 2017 e dois meses depois divulgou sua despedida da agremiação.

Ex-presidente da vermelho e branco do final de 2012 até abril de 2015, ele resgatou a escola e foi o responsável pelo retorno da Unidos de Bangu à Série A, em 2014.

“Ao longo da vida passamos por diversos ciclos. Alguns são finalizados de forma plena ou satisfatória; outros são interrompidos e retomados mais adiante quando é o momento certo para a realização e conclusão do mesmo, ou simplesmente deixamos de lado para vivermos novos desafios. Pra isso temos o livre arbítrio de fazer escolhas e seja ela qual for, a realização de um projeto só é viável quando temos objetivos comuns a quem dele participa. Caso contrário nada flui.

Mas a mola mestra da satisfação não é só a realização, o fazer por fazer. A falsa sensação de vitória em algo que a gente não se envolve ou não tem a nossa cara simplesmente não me seduz. A gente se desconhece e até se pergunta “o que estamos fazendo ainda ali”.

Preciso ter motivação e tesão para a realização de qualquer coisa. E justamente pela ausência destes dois ingredientes citados que ratifico aos amigos que um ciclo se encerra. NÃO ESTAREI MAIS PARTICIPANDO DO CARNAVAL DE 2017 DA UNIDOS DE BANGU. No momento, não faz parte de minhas prioridades na vida. Escola de Samba deve ser encarada como algo sério, tipo as Casas Bahia (Dedicação Total a Você) kkkkkkk, pois envolve paixão, tempo e respeito aos componentes. Dar continuidade não seria justo com algumas poucas pessoas que ainda acreditam, participam e de certa forma “lutam” pela escola.

Estou absolutamente sem tempo e com diversas outras prioridades e projetos, inclusive envolvendo o carnaval. Meu ciclo no Carnaval não acabou. Hão de chegar outros ciclos, outros momentos. A essência dos sonhos e a ideologia permanecem. Só vou pegar um “bonde” diferente, respirar novos ares que me dê motivação e faça acreditar e seguir outro caminho. Um bonde com novos ou velhos “passageiros” diferentes e que estejam com ideias mais alinhadas a fim de um bem comum, relatou Rafael Marçal em sua página do Facebook.