GRÊMIO RECREATIVO BLOCO CARNAVALESCO VAI BARRAR? NUNCA!

Presidente: Alexandre Rocha Cardoso

Vice-Presidente: Dennisson Mandarino

Diretor de Harmonia: Ricardo Marques

Carnavalesco: Jairo Gama

Mestre-Sala e Porta-Estandarte: Serginho Sorriso Mello e Caroline Santos

Diretor de Bateria “A Poderosa”: Mestre Ney

CARNAVAL 2018

ENREDO: CARNAVAL, É CARNAVAL!

SINOPSE

Inspirada na festa que os nobres europeus trouxeram em suas bagagens, regada de muita comida, bebida, ritmos europeus (valsa, a polca tcheca e outras), a sociedade carioca começa a realizar bailes de máscaras, reuniões, onde até D. Pedro II entrava na brincadeira, jogando água nos nobres na Quinta da Boa Vista.

Enquanto isso, nas ruas da cidade, milhares de foliões brincavam o entrudo (festa portuguesa), fantasiados, dançavam e jogavam limões de cheiro, farinha ou água nas pessoas que ali também brincavam. Surge a figura do Zé Pereira, alegrando os foliões, as Grandes Sociedades…

Embalados por muitos elementos da cultura negra, começam a surgir os primeiros Cordões, Ranchos e Blocos, Neste Clima, Pierrô e Colombina trocam juras de amor, batalhas de flores, confetes, serpentinas, lança perfumes, abrilhantavam ainda mais a festa.

Saudades nos dá, dos banhos de mar a fantasia, tia Ciata, o primeiro samba a ser gravado. “Pelo Telefone”, Praça Onze e antigos carnavais, “Deixa Falar”, a primeira Escola de Samba do Rio de Janeiro.

Hoje, as Escolas de Samba do Rio de Janeiro, ditam o carnaval em seu “grande palco teatral”, o Sambódromo (Marquês de Sapucaí) assim batizado. Malandros e mulatas mostram seu gingado carioca.

Rei Momo abre as portas para a folia, o Rio de Janeiro transborda alegria…

Carnaval, é carnaval!

Jairo Gama, Carnavalesco