Confira a Sinopse do Sereno de Campo Grande para o próximo Carnaval

Publicado por

GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA SERENO DE CAMPO GRANDE

CARNAVAL 2022

Presidente Administrativo: Galego

Vice-Presidente: Dudu Sereno

Diretor de Carnaval: André Baiacu

“SE O SAMBA TEM MANDINGA, VEM DA ÁFRICA A NOSSA GINGA!”

Carnavalescos: Amarildo de Mello e Vagner Lima

APRESENTAÇÃO

“O tempo me fez resistência do samba, herança da cor e berço de bambas”.

“SE O SAMBA TEM MANDINGA, VEM DA ÁFRICA A NOSSA GINGA!”

O G.R.E.S. Sereno de Campo Grande, numa viagem lúdica se personifica da soberania, do orgulho e coragem do povo da “Mãe África”. Um povo de luta, fé, coragem, alegria e resistência, quando então trazidos como escravos ancora em nosso país trazendo a “Ginga e manimolência do Samba”.

Vamos desenvolver um enredo tendo como tema o continente africano desde seus primórdios e vinda dos negros para o Brasil, culminando com um dos maiores legados trazidos por esse povo – O SAMBA. Não exaltaremos narrativas de dores, lamentos e sofrimentos. Abordaremos e apresentaremos a ancestralidade e o legado de uma civilização a qual desde muito cedo já tinha organizações politicas bem estabelecidas, tradição, elegância e sabedoria, e que foram chamadas convenientemente pelos colonizadores de um povo primitivo. A partir desses apontamentos propomos tecer o fio da memória exaltando e apresentando a importância do continente africano e de suas heranças que vieram constituir nossa formação social e cultural, deixando aqui nossa maior manifestação popular – O SAMBA! E assim vem a Sereno de Campo Grande, representando a Zona Oeste.

Convidamos você a viajar, se encantar e celebrar o prazer ter em nosso gene a ancestralidade e as raízes africanas que serão apresentadas nessa breve história do continente africano, culminando com o advento do SAMBA, herdado desse continente.

 

SINOPSE

EXUBERANTE ÁFRICA – BERÇO DO MUNDO – CONTINENTE DE FAUNA E EXÓTICAS BELEZAS NATURAIS

Na imensidão do universo e do meu ventre fiz o homem surgir! Arrancados de mim, ao mundo fiz meus filhos caminharem. Hoje representada pela Sereno de Campo Grande com muita coragem e orgulho vou contar um pouco de minha história nessa avenida e mostrar como me orgulha de ter deixado como herança – a maior manifestação popular desse país. “O SAMBA”

Coroada pelo sol resplandecente! Ah quanta luminosidade! Em ouro embelezei o meu infinito… Acolhi fauna e flora especial e bordei o meu cenário! Era o prenúncio de uma flora e belezas naturais sem igual: rios, mares a me banhar! Densas e variadas tipos de florestas a emoldurar minha paisagem exótica e sensacional!

Tenho a altivez de uma girafa… A velocidade de leopardos… A robustez e força bruta de rinocerontes e elefantes… Camuflo-me em cores variadas disfarçando predadores e exploradores. Animais ferozes minhas belezas a vigiar. Sou África! Berço da humanidade. De peculiares belezas naturais! Sou forte e perene como o baobá, orgulhosa e símbolo de coragem! Sou a majestosa África!

 

ÁFRICA DE DIVINAS NAÇÕES, DEVOÇÃO E FÉ

Na singularidade de minha nobreza sou a – Divina África! Sou símbolo de fé e devoção! E na liberdade de minhas terras, cada região e etnia um destino! Rituais tribais e Candomblé… Na parte Ocidental, na região de Ifé, cultura Ioruba ou também Nagô… Na antiga Dahomé – Jeje em grande louvação! Mitologia Fon! Aos vodus, em sua fé, seguidores a cultuar! Etnia Banto no Reino do Congo… Bela! Linda e rica cultura. Dançar, cantar, louvar e adorar as divindades chamadas de “inkises” no “Candomblé de Angola”. Dessa região, parte de mim foi arrancada sem dó nem piedade e sem nenhum “agô” Foi dai que saiu a maioria de meus filhos em números elevados saíram para no Brasil serem escravizados e subjugados a escravidão. Mas foi com muita fé, resistência e sincretismo que filhos meus sobreviveram!

Cristianismo, na antiguidade aqui em minhas entranhas também floresceu. Exatamente no Egito que foram traçados os primórdios caminhos dessa crença que mas tarde iria se espalhar em várias partes do mundo.

Islamismo… Allah também foi abrigado em meu negro seio. Hoje religião de maior número de adeptos por aqui… Teve seu grande impulso e ápice nos Impérios de Mali e Songai, quando se deu a conversão de seus soberanos, vassalos e habitantes. E a maioria passou a seguir o “Alcorão”. Não importa a sua crença ou religião! Mãe África sempre abençoa e respeita sua fé!

Sou Divina e soberana África de Fé e Devoção!

 

ÁFRICA DE ARTE, POESIA E CRIAÇÃO, DANÇA, MÚSICA E DO “SEMBA” QUE VIROU SAMBA NO BRASIL

O “Griô” – vai anunciar: Sou berço da sabedoria, tenho poesia, sou música, e na fé e devoção conduzo minha inspiração! Minha história, minha vida e minha existência são de pura arte. Sou arte desde a criação do homem! Do barro, vida a ele eu dei. Esculpi e modelei…

Forjar, fundir a ferro e fogo as riquezas do meu chão! Cortar e talhar, na madeira e no marfim… Gamelas, tambores, escudos e objetos rituais… Trançar palhas e folhas… Cada árvore dedicada a um orixá, em minha arte, muitos preceitos e oferendas em devoção.

Dançar, louvar, festejar! Entre o sagrado e o profano: simbolismo, sensualidade, equilíbrio do corpo e da alma como movimento dos rios de minha geografia. Elegância e suntuosidade de minha prole africana!

De minhas tribos, Impérios e Reinos muitos ritmos para o Brasil meus filhos levaram. E na memória levaram Lundu, Funaná, Marrabenta, Kuduro, Umbigada… Danças e ritmos impulsionados por frenéticos movimentos corporais! Porém duas manifestações de minha gente – “O JONGO E O SEMBA”, no Brasil fiz prosperar numa grande e peculiar manifestação. Amontoados e desprezados nas senzalas e depois nos morros e favelas e na luta pela liberdade esses ritmos tornam-se símbolo de resistência e liberdade. E nessa caminhada de luta, o “Jongo avô do Samba” juntou ao pai – “Semba” e construiu a maior manifestação dessas terras que outrora meus filhos foram escravizados. “O SAMBA BRASILEIRO” – cultura negra, ritmo, dança e percussão… Memória e heranças, hoje símbolo desse país. Na praça XI a semente prosperou! O tempo passou… E no rebolado e gingado e na batida do tambor, de terreiro em terreiro o samba prosperou. Em terras brasileiras hoje faço o samba levantar poeira! Deixei de herança o samba! Do samba surgiu Escolas de Samba! E hoje de cada barracão. O colorido da alegria é real! Faço o mundo delirar! Por tudo isso posso afirmar: “SE O SAMBA TEM MANDINGA VEM DA ÁFRICA A  NOSSA GINGA”.

 

O Sereno de Campo Grande encomendou seu samba-enredo a sua ala de compositores e irá apresentá-lo no mês de julho nas redes sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.