Os concursos de blocos – Parte II

Nesta edição da coluna, continuemos a passear pelos concursos de blocos antes da criação da Federação dos Blocos Carnavalescos do Estado do Rio de Janeiro (FBCERJ), que ocorreu em 1965.

Quando na década de 1950, apregoavam que os grandes blocos e concursos haviam terminado, um sopro de reavivamento foi dado na década de 1960.

Consultando os periódicos do período anterior ao surgimento da FBCERJ, constata-se este crescimento, mais uma vez organizados por jornais ou pela Associação de Cronistas Carnavalescos (ACC), chancelados ou não pelo poder público. Em geral, estes concursos eram promovidos no final de semana anterior ao carnaval. A leitura das matérias dos jornais destes anos permite concluir que eles foram importantes na organização de certo número de blocos a buscarem constituir uma entidade representativa.

O concurso de 1960 organizado pela ACC mereceu elogios por parte do Diretor de Turismo e de Certames da Prefeitura do Distrito Federal:

‘Finalizando agradeceu à ACC pela lembrança que teve em homenagear os blocos carnavalescos e aos sambistas, declarando que se achava comovido diante da solicitude com que os recreativistas o têm tratado, maneira essa que não pode ser comparada com nenhuma fase da sua vida diplomática e relembrou que a sua meta é da justiça, trabalhando, principalmente, para terminar com a exploração indevida do nosso folclórico, fazendo vê-lo a fôrça que tem.’ (DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 27 fev. 1960, p. 5)

Na matéria publicada pelo Diário de Notícias em 01 de março de 1962, na página 1 da Segunda Sessão do periódico, sobre o resultado do desfile dos blocos, promovido pela empresa Midas Propaganda em conjunto com os periódicos Diário de Notícias e Mundo Ilustrado e realizado na Avenida Atlântica, próxima à sede da TV-Rio, as agremiações elogiam a iniciativa, solicitam nova edição no ano seguinte e divulgam a intenção de criarem uma entidade representativa.

Cabe destacar que os quesitos se assemelham àqueles observados nos concursos das décadas de 1920 e 1930, mais uma vez mostrando que estas agremiações desfilavam com características musicais e visuais que remetem aos atuais blocos de enredo.

‘O júri estava constituído por Zélia Hoffman (fantasias), Edson Carneiro (Porta-Bandeira e Mestre Sala), Sérgio Cabral (letras), Osvaldo Sargentelli (bateria), Sérgio Porto (músicas) e Edna Savaget (originalidade).’ (DiÁrio de Notícias, 01 mar. 1962, p. 1, segunda sessão).

Entretanto, mesmo chancelando concursos de blocos, a partir de 1962, o poder público optou também por organizar certames, integrando-os ao calendário do carnaval carioca. As Figuras 1 e 2 abaixo mostram a programação oficial divulgada pela Secretaria de Turismo do Estado da Guanabara para os carnavais de 1963 e 1964.

Sem título

Com isso, faltava muito pouco para termos a constituição da FBCERJ e os blocos de enredo estão aí e mostram essa continuidade.