ENREDO: UMA VIAGEM AO CORAÇÃO DO RIO!

14102547_1063276003788253_6617318075126513445_n

SINOPSE

Prezado passageiro, seja bem-vindo!

Por gentileza, queira se dirigir ao seu local de embarque. Dirija-se ao seu assento, feche os olhos, prepare-se para viajar no tempo… Permita-se recordar como era a paisagem do Coração do Rio, vislumbrar o resultado das mudanças implementadas, e apreciar, com saudosismo e deleite, as maravilhas da cidade!

Terra abençoada por São Sebastião, outrora capital nacional, foi na nossa Zona Portuária que desembarcou a Corte e a nobreza vindas de Portugal.

Em meio às curvas sinuosas de seus morros, foi ali no Centro da cidade, que vimos brotar um reduto dos negros forros. Nossa pequena África, da Gamboa festiva, que abrigou a labuta dos marinheiros e trabalhadores da estiva…

Da antiga Zona Portuária ao Porto Maravilha; da promessa de Canudos à vista exuberante da Divina Providência; dos aquedutos que cortavam o Centro da cidade, ligando o bairro de Santa Tereza ao Largo da Carioca, à irresistível boemia dos Arcos da Lapa; do Mercado do Valongo ao Mercado Popular do Saara; do Paço Imperial às exposições sensacionais do Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB); da sensualidade das noites nos cabarés da Praça Mauá ao Museu do Amanhã; dos batuques e tambores da Pedra do Sal à Cidade do Samba – uma “cidade em pleno centro da cidade” dedicada inteiramente ao carnaval!!!

E, obviamente, do bonde ao veículo leve sobre trilhos (VLT), onde o ponto final é a estação Arcos da Apoteose, na Avenida Marquês de Sapucaí, parada obrigatória de cariocas, turistas, sambistas e apaixonados por carnaval.

Pois é lá que vislumbramos ver o Galo cantar, renovado, e de volta ao seu devido lugar, para nunca mais parar de brilhar, reluzente, em dourado, tal qual o sol nascente.

(*) Vale salientar que essa viagem ao Coração do Rio não se atém à datas cronológicas sequenciais, visto que o nosso principal objetivo com essa proposta carnavalesca é pontuar o “antes e depois”, o passado e o presente, o velho e o novo, “como era e como ficou”, o que deixou saudade no Rio antigo e o despertar de uma metrópole contemporânea.

Autores do Enredo: Bianca Behrends & Gabriel Mello